A leveza (in)suportável da educação não formal e as realidades diárias da educação social

Palavras-chave: Educação não formal. Educação social. Pedagogia social. Aprendizagem ao longo da vida.

Resumo

Revisitamos criticamente três expressões (educação "formal", "não formal" e "informal") que adquiriram um papel notável e injustificado nos discursos pedagógicos contemporâneos. A partir da aprendizagem ao longo da vida, analisamos as inconsistências teórico-conceituais do uso e abuso que as organizações internacionais, comunidades acadêmicas e profissionais fazem da "educação não formal", em diferentes contextos. Além de diferenciá-lo da educação formal (escolar), esvaziam as identidades de "outras educações". Acontece com a educação popular e a social, ocultando suas motivações políticas e ideológicas subjacentes à lógica de sua divisão. Tão formal quanto qualquer outra, seu crescente reconhecimento nas Ciências da Educação é abafado nos textos mais ortodoxos da teoria educacional, declarações e relatórios governamentais. Por isso, reivindicamos suas propostas e respostas alternativas para melhorar a educação e a sociedade.

Biografia do Autor

José Antonio Caride, Universidad de Santiago de Compostela

Doctor en Filosofía y Ciencias de la Educación (Pedagogía). Catedrático de Pedagogía Social del Departamento de Pedagogía y Didáctica - Facultad de Ciencias de la Educació de la Universidad de Santiago de Compostela (USC) - Campus Vida – 15782 – Santiago de Compostela (España).

Publicado
2020-05-28
Como Citar
Caride, J. A. (2020). A leveza (in)suportável da educação não formal e as realidades diárias da educação social. Laplage Em Revista, 6(2), p.37-58. https://doi.org/10.24115/S2446-6220202062908p.37-58