Gestão curricular baseada em resultados e standards e seus efeitos na avaliação institucional

Ila Beatriz Maia, José Augusto Pacheco

Resumo


Falar de avaliação institucional exige um olhar global, orientado quer pelas políticas educativas e curriculares, com a análise de referenciais e abordagens que dão solidez à argumentação de ideias em torno da gestão do currículo, quer pelas políticas de avaliação, reconhecidas na accountability escolar, na avaliação de escolas, sobretudo na sua componente externa, e nos efeitos que esta tem nas escolas e nos seus atores. Neste artigo, escrito tendo em conta a realidade brasileira e portuguesa, são ainda referenciadas as organizações transnacionais, e sobretudo a noção de competência transdisciplinar, que funciona cada vez mais como standards de aprendizagens básicas, e é apresentada, no âmbito de um projeto de investigação em curso, em Portugal, uma tipologia de efeitos da avaliação externa, cuja análise exige uma abordagem contextual e uma discussão do papel central da autoavaliação.


Palavras-chave


Políticas educativas e curriculares. Políticas de avaliação. Avaliação institucional. Standards. Efeitos.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referências


ABRANTES, P. (Coord.). Avaliação externa das escolas – proposta de modelo para o 3.º ciclo de avaliação. Lisboa: Ministério da Educação, 2018.

BALL, S. Intellectuals or Technicians? The urgent role of theory in educational studies. British Journal of Educational Studies, v.33, p.255-271, 1995.

BARREIRA, C.; BIDARRA, M. G.; VAZ-REBELO, M. P. (Orgs.). Estudos sobre avaliação externa de escolas. Porto: Porto Editora, 2016.

BONAMINO, A.; SOUSA, S.Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.38, n.2, p.373-388, 2012.

BRUNER, J. S. Para uma teoria da educação. Lisboa: Relógio D’Água, 1966/1999.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Vol I - A sociedade em rede. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CHARLOT, B. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

CONSELHO EUROPEU. Para uma Europa da inovação e do conhecimento. Parlamento Europeu, Lisboa, 2000. Disponível em: . Acesso em 1 nov. 2019

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez Editora, 1998.

EHREN, M. C.; VISSCHER, A. J. Towards a theory on the impact of schools inspection. British Journal of Educational Studies, v.54, n.1, p. 51-72, 2006. doi: 10.1111/j.1467-8527.2006.00333.x

EUROPEANCOMISSION/EACEA/EURYDICE. Garantia da Qualidade na Educação: Políticas e Abordagens à Avaliação das Escolas na Europa. Luxemburgo: Serviço de Publicações da União Europeia, 2015.

FULLAN, Q.; MCEACHEN, J. Deep learning. Engage the world change the world. Thousand Oaks, California: Corwin, 2018.

GOODLAD, J. I.; SU, Z. Organization of the Curriculum. In JACKSON, P. (Ed), Handbook of Research on Curriculum. New York: Macmillan Publishing Company, 1992, p. 327-344.

GOODSON, I. As políticas de currículo e de escolarização. Petrópolis: Editora Vozes, 2008.

GUERREIRO, H.L. A avaliação externa de escolas em Portugal. Da sustentabilidade no presente, aos desafios no futuro. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio Educación, v.13, n.4, p.131-147, 2015.

HANBERGER, A. Evaluation in local school governance: a framework for analysis. Education Inquiry, v.7, n.3, p.217-236, 2016. doi: 10.3402/edui.v7.29914

HOLLOWAY, J.; BRASS, J. Making accountable teachers: the terrors and pleasures of performativity. Journal of Education Policy, v.33, n.3, p.61-382, 2018. doi: 10.1080/02680939.2017.1372636

HOPMANN, S. T. No child, no school, no state left behind: schooling in the age of accountability. Journal of Curriculum Studies, v.40, n.4, p.417-456, 2008. doi: 10.1080/00220270801989818

LAPOUJADE, D. William James, a construção da experiência. São Paulo: N-1 edições, 2017.

LESSARD, C.; CARPENTIER, A. Políticas educativas. A aplicação na prática. Petrópolis: Editora Vozes, 2016.

LEWIS, S. Governing schooling through ‘what works’:the OECD’s PISA for Schools. Journal of Education Policy, v.32, n.3, p.281-302, 2017. doi: 10.1080/02680939.2016.1252855.

MAIA, I.B. Globalização e políticas de accountability: um estudo exploratório no contexto da Avaliação Externa das Escolas. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização Desenvolvimento Curricular e Avaliação). Universidade do Minho, Braga, 2019.

MAROY, C.; VOISIN, A. As transformações recentes das políticas de accountability na educação: desafios e incidências das ferramentas de ação pública. Educação & Sociedade, v.34, n.124, p.881-901, 2013.

MONS, N. Effets théoriques et réels de politiques d’évaluation standardisée. Revue Française de Pédagogie, v.169, p.99-140, 2009.

NUSSBAUM, M.C. Sem fins lucrativos. Porque precisa a democracia das humanidades. Lisboa: Edições 70, 2019.

OECD. The future of education and skills, Eduaction, 2030. Paris: OECD, 2018.

OEI. Programa 2019/20. Madrid: OEI, 2019

PACHECO, J.A. Conhecimento, currículo e educação. Porto: Porto Editora, 2014.

PACHECO, J.A. Currículo e gestão escolar no contexto das políticas educacionais. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v.27, n.3, p.377-390, 2011.

PACHECO, J.A. Currículo e gestão: perspetivas de integração em tempos de accountability. Revista de Estudos Curriculares, v. 8, n. 1, p. 35-50, 2017.

PACHECO, J.A. Para uma teoria curricular de mercado. In PACHECO, J.A.; ROLDÃO, M. C.; ESTRELA, M.T. (Org.), Estudos de currículo, Porto: Porto Editora, 2018, p. 57-88.

PACHECO, J.A. Políticas curriculares. Referenciais para análise. Porto Alegre: Artes Médicas. Porto: Porto Editora, 2003.

PACHECO, J.A.; SEABRA, F.; MORGADO, J.C. Avaliação externa. Para a referencialização de um quadro teórico sobre o impacto e efeitos nas escolas do ensino não superior. In PACHECO, J.A. (Org.), Avaliação externa de escolas: quadro teórico/conceptual, Porto: Porto Editora, 2014, p. 15-55.

PACHECO, J.A; SOUSA, J. O (pós) crítico na desconstrução curricular. Revista Tempos e Espaços em Educação, Sergipe, v.9, n.18, p.65-74, 2016. doi:10.20952/revtee.2016vl9iss17pp 65-74.

PENNINCKX, M. Effects and side effects if school inspections: a general framework. Studies in Educational Evaluation, v.52, p.1-11, 2017. doi:10.1016/j.stueduc.2016.06.006

PÉREZ GÓMEZ, A. Educarse en la era digital. Madrid: Morata, 2012.

PINAR, W.F. Educational experience as lived: knowledge, history, alterity. The selected works of William F. Pinar. New York: Routledge, 2015.

PINAR, W.F. O que é a teoria curricular? Porto: Porto Editora, 2007.

RIZVI, F.; LINGARD, B. Políticas educativas en un mundo globalizado. Madrid: Morata, 2013.

SANTOS, S.M. Análise comparativa dos processos europeus para a avaliação e cerificação de sistemas internos de garantia da qualidade. Lisboa: A3ES, 2011.

SAUNDERS, L. Who or what is school 'Self'-Evaluation for?, School Effectiveness and School Improvement, v.10, n.4, p.414-429, 1999.

SETLALENTOA, W.N. School self evaluation: how involved are educators in the process?. International Journal of Educational Sciences, v.7, n.3, p.535.533, 2014. doi: 10.1080/09751122.2014.11890214

SILVA, F.C.; FILHA, C.X. (Orgs.). Conhecimentos em disputa na base nacional curricular comum. Campo Grande: Editora Oeste, 2019.

SLOBODIAN, Q. Globalists. The end of empire and the birth of neoliberalism. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 2018.

SOBRINHO, J.D. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do Provão ao Sinaes. Avaliação, Campinas e Sorocaba, v.15, n.1, p.195-224, 2010.

SOBRINHO, J.D. Educação superior, globalização e democratização: o debate ético-político. In LEITE, D. (Org.), Avaliação participativa e qualidade: os atores locais em foco Porto Alegre: Sulina, 2009, p.33-55, 2009.

SOUSA, S.Z. Concepções de qualidade da educação básica forjadas por meio de avaliações em larga escala. Avaliação, v.19, n.2, p.407-420, 2014.

SUGURE, C. (2016). Curriculum development and school leadership: unattainable responsibility or realistic ambition. In WYSE, D.; HAYWARD, L.; PANDYA, J. (Ed.), The Sage handbook of curriculum, pedagogy and assessment. London: Sage Publications, 2016, p. 997-1104.

TAUBMAN, P. Teaching by numbers. New York: Routledge, 2009.

TAYLOR, F. The principles of scientific management. New York, 1911.

TYLER, R. Basic principles of curriculum and instruction. Chicago: The Chicago Univsersity Press, 1949.

YOUNG, M. Overcoming the crisis in curriculum theory. A knowledge-based approach. Journal of Curriculum Studies, v. 45, n. 2, p.101-118, 2013.




DOI: https://doi.org/10.24115/S2446-622020195especial775p.18-30

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Esta obra está licenciado com uma Licença CreativeCommons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

ISSN:2446-6220

Indexadores/Indexing

 SEER - Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas *Google Acadêmico * Worldcat - Laplage em Revista * Diadorim * DOAJLatindex *Journal TOCS  *Livre - Revistas de Acesso Livre *Sumarios.org  *Portal de Periódicos CAPES/MEC *Open Academic Journal Index - OAJI *BASE - Bielefeld Academic Research Engine *Portal de Periódicos da UFSCAR *REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) *MIAR- Information Matrix for the Analysis of Journals *Catálogo Colectivo do Reino Unido (COPAC) *ZDB - Catálogo Coletivo (Alemanha) *SHERPA ROMEO - Open Acess to research *Ulrichweb Global Serials Directory *RCAAP -Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal *ERIH PLUS - European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences *ROAD - Directory of Open Acess Schorlay Resources *ISSN - International Standard Serial Number  (international Centre) - CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - Clarivate Analytics (WEB OF SCIENCE)- Edubase (SBU/UNICAMP) - IRESIE - REDALYC