O lugar das crianças de 0 a 3 anos nas políticas educacionais no Brasil e em Portugal

Angela Scalabrin Coutinho, Catarina Tomás

Resumo


Tendo como quadro teórico-metodológico de referência a sociologia da infância e a concepção de criança enquanto ator social, sujeito de direitos, o artigo tem por objetivo apresentar uma análise das políticas educacionais voltadas para as crianças de 0 a 3 anos no Brasil e em Portugal, com a perspectiva de identificar o lugar que ocupam nas agendas de discussão no campo da educação nesses países, sobretudo a partir dos anos 80 até à atualidade. A análise centrar-se-á em documentos oficiais – legislação e recomendações – que deliberam sobre o direito à educação e que orientam as práticas educacionais com as crianças menores de três de anos, e que possibilitam identificar os principais vetores dessas políticas, indicando suas potencialidades e limites.


Palavras-chave


Educação infantil. Políticas educacionais. Crianças de 0 a 3 anos. Sociologia da infância.

Texto completo:

PDF

Referências


ALANEN, L. Critical Childhood Studies? Childhood, v. 18, n. 2, p. 147–150, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República, Casa Civil, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 06/03/2016.

BRASIL. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2009.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: março de 2018.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 15 abr. 2013.

BRASIL. Parâmetros Básicos de Infraestrutura para Instituições de Educação de Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2006a.

BRASIL. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Vol. 1 e 2. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2006.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 03, de 22 de março de 1999. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 1999.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 18 dez., 2009a.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 18 dez., 2009a.

BRASIL. Portaria nº 826, de 7 de julho de 2017. In: Diário Oficial da União. Nº 130, segunda-feira, 10 de julho de 2017.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 1995.

CARDONA, M. J. Para a história da Educação de Infância em Portugal. Porto: Porto Editora, 1997.

CARVALHO, L. Estudos analíticos sobre políticas educativas: um ensaio a partir da investigação doutoral realizada em Portugal (2000-2012). Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 1023-1040, out.-dez., 2015.

COUTINHO, A. S. As políticas para a educação de crianças de 0 a 3 anos no Brasil: avanços e (possíveis) retrocessos. Laplage em Revista, Sorocaba, v.3, n.1, jan.-abr. 2017, p. 19-28.

FARIA, A. L. G. de. Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica. In: Educação e Sociedade. Cadernos CEDES, vol. 26, n. 92, 2005, p. 1013-1038.

FERREIRA, M.; TOMÁS, C. A Educação de infância em tempos de transição paradigmática: uma viagem por discursos políticos e práticas pedagógicas em Portugal. Cadernos de Educação de Infância, n. 112, número especial, p. 19-33, 2017.

FOLQUE, M. A.; TOMÁS, C.; VILARINHO, M. E.; SANTOS, L.; HOMEM, L; SARMENTO, M. Pensar a educação de Infância e os seus contextos. In M. Silva (Ed.). Pensar a educação: Temas sectoriais. Lisboa: Educa, p. 9-46, 2015.

GONDRA, J. G. A emergência da infância. Educação em Revista, vol.26, n.1, 2010, p.195-214.

HADDAD, L. Políticas integradas de educação e cuidado infantil: desafios, armadilhas e possibilidades. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 129, p. 519-546, set./dez. 2006.

JAMES, A.; PROUT, A. Constructing and Reconstructing Childhood. Contemporary Issues in the Sociological Study of Childhood. London: Falmer Press, 1990.

KUHLMANN Jr., M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. POA: Mediações, 1998.

LIMA, L. Aprender para ganhar, conhecer para competir. Sobre a subordinação da educação na “sociedade de aprendizagem”. São Paulo: Cortez Editora, 2017.

MOSS, P. Introduzindo a política na creche: a educação infantil como prática democrática. Psicologia USP, São Paulo, julho/setembro, v. 20, n. 3, p. 417-436, 2009.

MOSS, P. ‘What place for “care” in early childhood policy?’. In: Linda Miller; Claire Cameron; Carmen Dalli; Nancy Barbour (eds.) The SAGE Handbook of Early Childhood Policy. London: Sage, p.256-267, 2017.

OECD. Education at a Glance 2017: OECD Indicators. Paris: OECD Publishing, 2017. Disponível em: http://www.oecd.org/education/education-at-a-glance-19991487.htm Acesso em 24 de março de 2018.

OUDENHOVEN, N. V.; WAZIR, R. Newly Emerging Needs of Children: An Exploration. Antuérpi.: Coronet Books Inc, 2006.

PORTUGAL. Constituição da República Portuguesa. Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.ministeriopublico.pt/iframe/constituicao-da-republica-portuguesa. Acesso em: 02/04/2018.

PORTUGAL. Despacho n.º 9180/2016 - Diário da República n.º 137/2016, Série II de 2016-07-19, Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, 2016, http://www.dge.mec.pt/ocepe/sites/default/files/Orientacoes_Curriculares.pdf. Acesso em: 02/04/2018.

ROSEMBERG, F. O movimento de mulheres e a abertura política no Brasil: o caso da creche. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.51, nov.1984, p. 73-79.

SERRANO, L.; PINTO, J. A creche em Portugal: entre uma perspetiva assistencialista e educacional. Medi@ções, v. 3, n. 2, p. 63-70, 2015.

VASCONCELOS, T. Educação de Infância em Portugal: Perspectivas de desenvolvimento num quadro de PosModernidade. Revista Ibero Americana de Educação. Nº. 22, janeiro-abril 2000.

VILARINHO, M. E. E. depois da "Paixão"? Contributo para a análise sociológica das políticas de educação pré-escolar em Portugal. Educação, Sociedade & Culturas, n. 17, p.89-11, 2000.




DOI: https://doi.org/10.24115/S2446-6220201842478p.123-132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Esta obra está licenciado com uma Licença CreativeCommons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

ISSN:2446-6220

Indexadores/Indexing

 SEER - Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas *Google Acadêmico * Worldcat - Laplage em Revista * Diadorim * DOAJLatindex *Journal TOCS  *Livre - Revistas de Acesso Livre *Sumarios.org  *Portal de Periódicos CAPES/MEC *Open Academic Journal Index - OAJI *BASE - Bielefeld Academic Research Engine *Portal de Periódicos da UFSCAR *REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) *MIAR- Information Matrix for the Analysis of Journals *Catálogo Colectivo do Reino Unido (COPAC) *ZDB - Catálogo Coletivo (Alemanha) *SHERPA ROMEO - Open Acess to research *Ulrichweb Global Serials Directory *RCAAP -Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal *ERIH PLUS - European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences *ROAD - Directory of Open Acess Schorlay Resources *ISSN - International Standard Serial Number  (international Centre) - CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - Clarivate Analytics (WEB OF SCIENCE)- Edubase (SBU/UNICAMP) - IRESIE - REDALYC