A perspectiva das iniquidades da saúde, do racismo e do racismo institucional: experiências na construção e implementação de disciplinas eletivas acadêmicas na graduação e programa“stricto sensu”, na Faculdade de medicina da Universidade Federal de Alagoas

Jorge Luís de Souza Riscado

Resumo


O racismo e o racismo institucional são determinantes das iniquidades de saúde e práticas nos serviços. Objetivando romper com essa lógica foram implementadas duas disciplinas eletivas sobre saúde da população negra na graduação e num programa “stricto sensu” na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas. Para a disciplina “Saúde da População Negra”, na graduação, desde 2007, participaram 23 discentes em média dentre os cursos de Serviço Social, Medicina e Psicologia. Quanto à disciplina “Raça, Racismo Institucional, Educação e Práticas em Saúde”, do Mestrado Profissional de Ensino na Saúde, contou-se com um número de 13 mestrandas de diversas áreas de conhecimento. Conclui-se da grande significância desses resultados obtidos nas futuras implicações para a promoção da saúde, da prevenção, cuidados e tratamento de doenças prevalentes da população negra, barreira de acesso ao cuidado e ponte para o acesso, a ruptura do negligenciamento em práticas discriminatórias e racistas.


Palavras-chave


Ensino. Graduação. Strictu sensu. Saúde população negra. Política nacional de saúde integral.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. L.; BARBOSA, R. B. A saúde da população negra: realizações e perspectivas. 1998. Mimeo.

BARBOSA, M. I. da S. É mulher, mas é negra: perfil da mortalidade do "quarto de despejo". Jornal da Rede, n. 23, p. 34-36, março 2001.

BATISTA, L. E.; WERNECK; J.; LOPES, F. (Orgs.). Saúde da população negra (Coleção Negras e negros: pesquisa em debates) 2ª Ed. Ver e ampl. 1ª reimpressão - Petrópolis, RJ: De Petrus et al. Editora Ltda. Brasília, DF: ABPN, 2012. 372p.

BATISTA, L. E.; ESCUDER, M. M.; PEREIRA, J. C. R. A cor da morte: causas de óbito segundo características de raça no Estado de São Paulo, 1999 a 2001. Revista de Saúde Pública, v. 38, p. 630-6, 2004.

BATISTA, L. E. Masculinidade, raça/cor e saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.10, n. 1, p. 71-80, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Manual de doenças mais importantes, por razões étnicas, na população brasileira afro-descendente / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, (Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 123), 2001. 78 p.

CARDOSO, A. M.; SANTOS, R. V.; COIMBRA Jr., C. E. A. Mortalidade infantil segundo raça/cor no Brasil: o que dizem os sistemas nacionais de informação? Cad. Saúde Pública, 21 (5): 1602-1608, 2005.

CHOR, D.; LIMA, C. R. A. Aspectos epidemiológicos das desigualdades raciais em saúde no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. V. 21, p. 1586-94, 2005.

LOPES, F. Para além da barreira dos números: desigualdades raciais e saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro. V. 21, n.5, p.1596-1601, 2005.

OLIVEIRA, F. Saúde da população negra: Brasil ano 2001. Brasília: OPAS, 2003.

OLIVEIRA, L. J.; RISCADO, J. L. S.; BRAGA, C. P. A. Análise dos óbitos por parto e puerpério de mulheres negras no período de 2000 a 2011, em Alagoas, Brasil. Lecturas Educación Física y Deportes (Buenos Aires), v. 20, p. 1-1, 2014.

MARTINS, A. L. Mortalidade materna: maior risco para as mulheres negras no Brasil. Jornal da Rede, n. 23, março 2001. Disponível em . Acessado em 20.08.2015.

RISCADO, J. L. S. O impacto das ações contra o racismo na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). In: CAVALCANTI, B. C.; FERNANDES, C. S.; BARROS. R. R. A. (orgs) Kulé Kulé: Afroatitudes. Maceió: EDUFAL, 2007, v. 3, p. 117-124.

RISCADO, J. L. S.; NASCIMENTO, E. F.; SILVA, S. R. F. F. A construção social da masculinidade e a repercussão na saúde do homem. In: RISCADO, J. L. S., OLIVEIRA, M. A. B.. (Org.). Quilombolas guerreiros alagoanos: aids, prevenção e vulnerabilidades. Maceió: EDUFAL, 2011, v. 1, p. 55-74.

RISCADO, J. L. S.; OLIVEIRA, M. A. B. de; BRITO, A. M. B. B. de. Vivenciando o racismo e a violência: um estudo sobre as vulnerabilidades da mulher negra e a busca de prevenção do HIV/aids em comunidades remanescentes de Quilombos, em Alagoas. Revista Saúde Soc. [online]. 2010, vol.19, suppl.2, pp. 96-108.

RISCADO, J. L. S., OLIVEIRA, L.J. Homens jovens negros e aids: estudo na série histórica 2003 a 2013, em Maceió, Alagoas e Nordeste. Anais do X Congresso da Sociedade Brasileira de Doenças Sexualmente Transmissíveis e VI Congresso Brasileiro de Aids – DST 10/AIDS 6, São Paulo/SP, maio/2015.

RISCADO, J. L. S. et al. Diagnóstico de Saúde em Comunidade Remanescente de Quilombo Poço do Sal, município de Pão de Açúcar, Alagoas. Anais do 11º CBCENF, Belém/PA, ago/set 2008a.

RISCADO, J. L. S. et al. Diagnóstico de Saúde em Comunidade Remanescente de Quilombo Chifre de Bode, município de Pão de Açúcar, Alagoas. Anais do 46º COBEM, Salvador/BA, out/2008b.

RISCADO, J. L. S. et al.. Disciplina eletiva Saúde da População Negra da FAMED/UFAL: diagnóstico de saúde na Comunidade Remanescente de Quilombo Tabacaria, do município de Palmeira dos Índios, Alagoas. Anais do 46º COBEM, Salvador/BA, out/2008c.

SANTOS, L. M. dos; SANTOS, R. L. da S. Saúde integral da população negra, quilombola e comunidades tradicionais de terreiro I. In: Promoção da Equidade no SUS. Fundação Demócrito Rocha. Universidade Aberta do Nordeste. Fascículo 5, p. 98-119. 2015.

SANTOS, L. M. dos; CHAGAS, R. A. das; SANTOS, R. L. da S. Saúde integral da população negra, quilombola e comunidades tradicionais de terreiro I. In: Promoção da Equidade no SUS. Fundação Demócrito Rocha. Universidade Aberta do Nordeste. Fascículo 6, p. 121-143. 2015.

SILVA, M. A.. Para uma nova atitude: Brasil AfroAtitude. In: CAVALCANTI, Bruno César; FERNANDES, Clara Suassuna; BARROS, Raquel Rocha de Almeida (orgs). Kulé, Kulé: Afroatitudes. Maceió/AL: Edufal, 2007. P 41-51.




DOI: https://doi.org/10.24115/S2446-6220201623196p.113-121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Esta obra está licenciado com uma Licença CreativeCommons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

ISSN:2446-6220

Indexadores/Indexing

 SEER - Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas *Google Acadêmico * Worldcat - Laplage em Revista * Diadorim * DOAJLatindex *Journal TOCS  *Livre - Revistas de Acesso Livre *Sumarios.org  *Portal de Periódicos CAPES/MEC *Open Academic Journal Index - OAJI *BASE - Bielefeld Academic Research Engine *Portal de Periódicos da UFSCAR *REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) *MIAR- Information Matrix for the Analysis of Journals *Catálogo Colectivo do Reino Unido (COPAC) *ZDB - Catálogo Coletivo (Alemanha) *SHERPA ROMEO - Open Acess to research *Ulrichweb Global Serials Directory *RCAAP -Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal *ERIH PLUS - European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences *ROAD - Directory of Open Acess Schorlay Resources *ISSN - International Standard Serial Number  (international Centre) - CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - Clarivate Analytics (WEB OF SCIENCE)- Edubase (SBU/UNICAMP) - IRESIE - REDALYC