O estudo da representatividade racial e de gênero nos cursos de licenciatura dos institutos federais de Minas Gerais

Denise Conceição das Graças Ziviani, Vanessa da Silva Estevam

Resumo


Este estudo faz alusão às relações raciais, de gênero e classe socioeconômica do alunado dos cursos de Licenciatura, tendo como espaço empírico os Institutos Federais de Minas Gerais. A partir de dados fornecidos pela Pró-Reitoria e pelo IFMG campus Ouro Preto, na faixa temporal de 2011 a 2015 foi possível constatar que os IFs mineiros dispõem de uma segregação racial por área do conhecimento, sendo que a maioria do alunado cursa Licenciatura na área de Humanas e os estudantes que se declararam brancos cursam Licenciatura na área de exatas. Segundo dados obtidos, mais de 90% frequentaram escolas públicas durante o ensino médio e prestaram vestibular tradicional para ingressarem no ensino superior. Em contraposição, ainda é desconhecido a representatividade por sexo, devido a falta de coleta, armazenamento e tratamento dessa informação por parte da instituição, que desconsidera a importância da política de educação e gênero.  


Palavras-chave


Raça. Gênero. Formação Inicial. Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. S. de. Mulheres na Educação: missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, D. O legado educacional do século XX no Brasil. 2ª ed. Campinas, SP: Autores associados, 2006.

ANJOS, G. de. A questão “cor” ou “raça” nos censos nacionais. Porto Alegre: Revista Fee, v. 41, n. 1, p. 103-118, 2013.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 2ª ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

BRASIL. Estatuto da igualdade racial. Lei nº 12.228, de 20 de julho de 2010, e legislação correlata. – 3. Ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

BRITO. M. R. F. ENADE 2005: Perfil, desempenho e razão da opção dos estudantes pelas Licenciaturas. In: Avaliação. Campinas; Sorocaba, SP, v. 12, n. 3, p. 401-443, set. 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/aval/v12n3/a03v12n3.pdf >. Acesso em: 29 jun. 2016.

FONSECA, M .V. O Programa de ação afirmativa na UFMG e os conflitos em torno de uma proposta de permanência de estudantes negros(as). In: LOPES, M. A; BRAGA, M. L. de S. Acesso e Permanência da população negra no ensino superior. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: Unesco, 2007, p.161-186.

GATTI, B.A., et al. A atratividade da carreira docente no Brasil. In: FUNDAÇÃO VITOR CIVITA. Estudos & Pesquisas Educacionais. São Paulo, nº1, 2009, p.139-209.

GOMES, N.L. Tempos de lutas: as ações afirmativas no contexto brasileiro. Brasília: Ministério da educação, Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

GOMES, N. L. Diversidade étnico-racial, inclusão e equidade na educação brasileira: desafios, políticas e práticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação: ANPAE, v. 27, n. 1, 2010.

GEMAA. Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa: UERJ. Disponível em: < http://gemaa.iesp.uerj.br/dados/mapa-das-acoes-afirmativas.html >. Acesso em: 30 maio. 2016.

GUIMARÃES, A. S. A. Como trabalhar com “raça” em sociologia. São Paulo: Revista Educação e Pesquisa, v.29, n.1, p. 93-107, jan./jun., 2003.

GUIMARÃES, A. S. A. Classe, raças e democracia. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

GUIMARÃES, A. S. A. Acesso de negros às universidades públicas. São Paulo: Cadernos de Pesquisa USP, n. 118, p. 247-268, 2013.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LOURO, G. L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56) - maio/ago. 2008.

MAGNOLI, D. Uma gota de sangue: história do pensamento racial. São Paulo: Contexto, 2009.

OLIVEIRA, L. H. G. de; PORCARO, R. M.; COSTA, T.C.N. A. O lugar do negro na força de trabalho. Fundação IBGE: 1985.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA –MEC. Ensino superior: entenda as cotas para quem estudou todo o ensino médio em escolas públicas. 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cotas/perguntas-frequentes.html >. Acesso em: 7 jun.2016.

QUEIROZ, D. M. O acesso ao ensino superior: gênero e raça. Salvador: CADERNO CRH- UFBA, n. 34, p. 175-197, 2001.

ROSEMBERG, F. Educação Formal, Mulher e Gênero no Brasil Contemporâneo. Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 9, n. 2, p. 515-540, 2001.

RISTOFF, D. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação (Campinas) vol.19 n.3, Sorocaba Nov. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução: Christiane Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. 1990.

SCHWARCZ, L. M. Nem preto nem branco muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. 1ª ed. Claro Enigma, 2013. Disponível em:< https://books.google.com.br/books?id=8u2nBAAAQBAJ&pg=PA1&dq=NEM+PRETO+NEM+BRANCO,+MUITO+PELO+CONTRARIO&hl=ptBR&sa=X&ved=0ahUKEwiO95GvhsfNAhUHhJAKHe7sAsQQ6AEIJTAA#v=onepage&q=NEM%20PRETO%20NEM%20BRANCO%2C%20MUITO%20PELO%20CONTRARIO&f=false) >. Acesso em: 20 jun. 2016.

PIZA, E.; ROSEMBERG, F. A cor nos censos brasileiros. In: ROSEMBERG, F., et al. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 2009

SILVA, C. B. da. O “mérito” e as cotas no concurso vestibular da UFRGS. Porto Alegre. Monografia [Graduação em Sociologia] – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 2009. Disponível em < https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/17841/000725347.pdf?sequence=1>. Acesso em: 30 maio. 2016.

SILVA, S.A. Os novos estudantes de Licenciatura no contexto da expansão do Ensino Superior. Educação em foco, Ano 17, n. 23, julho 2014. Disponível em: http://www.uemg.br/openjournal/index.php/educacaoemfoco/article/viewFile/528/346. Acesso em: 29 jun. 2016.

ZIVIANI, D. C. das G. A inclusão e diferença-estudo dos processos de exclusão de crianças e adolescentes negros através da alfabetização no contexto da escola plural. SP. 400f. Tese (Doutorado- Programa de Pós- Graduação em Educação. Área de Concentração: Estado, Sociedade e Educação)- Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

ZIVIANI, D. C. das G. A cor das palavras: a alfabetização de crianças negras entre o estigma e a transformação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.




DOI: https://doi.org/10.24115/S2446-6220201623192p.84-99

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Esta obra está licenciado com uma Licença CreativeCommons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

ISSN:2446-6220

Indexadores/Indexing

 SEER - Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas *Google Acadêmico * Worldcat - Laplage em Revista * Diadorim * DOAJLatindex *Journal TOCS  *Livre - Revistas de Acesso Livre *Sumarios.org  *Portal de Periódicos CAPES/MEC *Open Academic Journal Index - OAJI *BASE - Bielefeld Academic Research Engine *Portal de Periódicos da UFSCAR *REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) *MIAR- Information Matrix for the Analysis of Journals *Catálogo Colectivo do Reino Unido (COPAC) *ZDB - Catálogo Coletivo (Alemanha) *SHERPA ROMEO - Open Acess to research *Ulrichweb Global Serials Directory *RCAAP -Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal *ERIH PLUS - European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences *ROAD - Directory of Open Acess Schorlay Resources *ISSN - International Standard Serial Number  (international Centre) - CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - Clarivate Analytics (WEB OF SCIENCE)- Edubase (SBU/UNICAMP) - IRESIE - REDALYC