Políticas públicas de educação de adultos em Portugal – a invisibilidade do analfabetismo

Carmen Cavaco

Resumo


O artigo visa analisar as políticas públicas de educação de adultos, em Portugal, no período entre 1998 e 2015, para colocar em destaque um domínio de ausência neste âmbito – a alfabetização de adultos. A análise resulta de duas investigações de natureza qualitativa, uma centrada no processo de formação de adultos não escolarizados e outra nas políticas e práticas de educação de adultos pouco escolarizados, em Portugal. Os dados empíricos que suportam a análise resultaram da recolha documental e da recolha de dados estatísticos. Os dados revelam que as orientações políticas da União Europeia, no período em análise, negligenciam a alfabetização de adultos o que tem consequências nas políticas públicas de educação de adultos, no contexto Português. Portugal apresenta uma taxa elevada de analfabetismo, contudo, nas últimas décadas, esse problema tem sido silenciado, registando-se uma ausência de políticas públicas de alfabetização de adultos.


Palavras-chave


Analfabetismo. Políticas públicas. Educação de adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANQ. Iniciativa novas oportunidades. Lisboa: Agência Nacional para a Qualificação I.P., 2010.

BACHELARD, G. Essai sur la connaissance approchée. Paris: Vrin, 1968.

BACHELARD, G. La formation de l´esprit scientifique. Paris: Vrin, 1986.

BENAVENTE, A (Coord.); ROSA, A.; FIRMINO DA COSTA, A.; ÁVILA, P. A literacia em Portugal: resultados de uma pesquisa extensiva e monográfica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Conselho Nacional de Educação, 1996.

CANÁRIO, R. Educação de Adultos. Um campo e uma problemática. Lisboa: Educa, 1999.

CANÁRIO, R. O impacto social das ciências da educação. Versão escrita da conferência proferida no VII Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Évora: Universidade de Évora, Documento Policopiado, p.1-23, 2003.

CAVACO, C. Adultos pouco escolarizados. Diversidade e interdependência de lógicas de formação. Dissertação de Doutoramento, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, 2008.

CIA World Factbook (s/d) Taxa de analfabetismo por país. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2015.

CNE. Estado da educação 2011. A qualificação dos Portugueses. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2011.

CNE. Estado da educação 2012. Autonomia e Descentralização. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2013.

COMISSÃO EUROPEIA. Livre blanc sur l´éducation et la formation. Enseigner et Apprendre. Vers la société cognitive. Luxemburgo : Comissão Europeia, 1995.

COMISSÃO EUROPEIA. Memorando sobre a aprendizagem ao longo da vida. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias, 2000.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação e Sociedade, v. 25, 87, p.423-460, 2004.

DESLAURIERS, J-P. ; KERISIT, M. Le devis de recherche qualitative. In : Poupart, Jean et al. La Recherche qualitative. Enjeux épistémologiques et méthodologiques. Montréal: Gaëtan Morin, p.85-111, 1997.

DUBAR, C. La formation accroît-elle aujourd´hui les inégalités. Education Permanente, n.129, 4, p.19-28, 1996.

FINGER, M. A educação de adultos e o futuro da sociedade. In: CANÁRIO, R. e BELMIRO, C. (Orgs.). Educação e formação de adultos. Mutações e convergências. Lisboa: Educa, p.15-30, 2005.

FINGER, M.; ASÚN, J. M. A educação de adultos numa encruzilhada. Aprender a nossa saída. Porto: Porto Editora, 2003.

GIDDENS, A. Novas regras do método sociológico. Lisboa: Gradiva, 1996.

GIL, J. O que não sabemos sobre nós. O estado da nação e o seu avesso. Jornal Público, p.2-10, 5 de Mar. 2012.

GIORGI, A. De la méthode phénoménologique utilisée comme mode de recherche qualitative en sciences humaines : théorie, pratique et évaluation. In Poupart, J. et al. La recherche qualitative. Enjeux épistémologiques et méthodologiques. Montréal: Gaëtan Morin, p.341-364, 1997.

INE. Censos – Resultados definitivos. Portugal – 2011. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2012.

LAPERRIÈRE, Anne. La théorisation ancrée (grounded theory): démarche analytique et comparaison avec d´autres approches apparentées. In : POUPART, Jean et al. La recherche qualitative. Enjeux épistémologiques et méthodologiques. Montréal: Gaëtan Morin, p.309-340, 1997.

LIMA, L. A educação de adultos em Portugal (1974-2004). Entre as lógicas da educação popular e da gestão de recursos humanos. In: CANÁRIO, Rui. e BELMIRO, Cabrito. (Orgs.). Educação e formação de adultos. Mutações e convergências. Lisboa: Educa. p.31-60, 2005.

MELO, A. L´accès des “non-publics” à la formation. In : AAVV. Faciliter l´accès à la formation continue : le projet européen S@voir+. Actes des Troisièmes Rencontres de la Fondation pour le Développement de l´Education Permanente. Disponível em : , Acesso em: 24 nov. 2015.

PORDATA. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2015.

RAMOS, R. O chamado problema do analfabetismo: as políticas de escolarização e a persistência do analfabetismo em Portugal (séculos XIX e XX). Ler História, 35, p.45-70, 1998.

REIS, J. O analfabetismo em Portugal no século XIX: uma interpretação. Colóquio Educação e Sociedade, 2, p.13-40, fev. 1993.

SANZ FERNÁNDEZ, F. As raízes históricas dos modelos actuais de educação de pessoas adultas. Lisboa: Educa/Unidade de I&D de Ciências da Educação, 2006.

SOUSA SANTOS, B. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

TEIXEIRA, L.; FONTES, M. Literacia numa vila do interior: trabalhadores fabris e do pequeno comércio. In: BENAVENTE, A. (Coord.); ROSA, A.; FIRMINO DA COSTA, A.; ÁVILA, P. A literacia em Portugal. Resultados de uma pesquisa extensiva e monográfica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Conselho Nacional de Educação, p.311-355, 1996.




DOI: https://doi.org/10.24115/S2446-6220201621119p.51-62

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Esta obra está licenciado com uma Licença CreativeCommons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

ISSN:2446-6220

Indexadores/Indexing

 SEER - Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas *Google Acadêmico * Worldcat - Laplage em Revista * Diadorim * DOAJLatindex *Journal TOCS  *Livre - Revistas de Acesso Livre *Sumarios.org  *Portal de Periódicos CAPES/MEC *Open Academic Journal Index - OAJI *BASE - Bielefeld Academic Research Engine *Portal de Periódicos da UFSCAR *REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) *MIAR- Information Matrix for the Analysis of Journals *Catálogo Colectivo do Reino Unido (COPAC) *ZDB - Catálogo Coletivo (Alemanha) *SHERPA ROMEO - Open Acess to research *Ulrichweb Global Serials Directory *RCAAP -Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal *ERIH PLUS - European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences *ROAD - Directory of Open Acess Schorlay Resources *ISSN - International Standard Serial Number  (international Centre) - CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - Clarivate Analytics (WEB OF SCIENCE)- Edubase (SBU/UNICAMP) - IRESIE - REDALYC